Artigos

Acompanhe as dicas e orientações de nossa
equipe médica para manter a sua saúde em alta!

Artigos

Como todo esporte, a corrida precisa de acompanhamento para gerar os resultados esperados por seus praticantes. Muito mais complexo do que pegar um tênis e sair correndo por aí, a modalidade precisa de cuidados e preparativos para não gerar problemas físicos aos atletas.

Se hidratar bem, utilizar um tênis correto para sua pisada e seguir a programação do treinador são fundamentais para um melhor aproveitamento do tempo e conservação do próprio corpo. Contudo, algumas pessoas não se preparam para a atividade e, infelizmente, acabam com algum problema no pé, pernas ou, até mesmo, nas costas.

Essas dores, principalmente se forem persistentes, precisam de acompanhamento médico, afinal, lesões na corrida podem ser sérias e necessitar de tratamentos específicos, que variam de fisioterapia até a parada das atividades em busca de recuperação.

Os tratamentos para os problemas mais simples não costuma envolver o processo cirúrgico, sendo a fisioterapia, o uso de remédios e o repouso as recomendações mais recorrentes.

Entre os principais problemas da modalidade, vale destacar:

Fascite Plantar

Trata-se de um problema bastante incômodo para os atletas. A doença consiste em uma inflamação que afeta a fáscia plantar, membrana que recobre toda a sola do nosso pé, do calcanhar até a base dos dedos. Como se trata de um tecido rígido, cheio de fibras e com pouco poder de elasticidade, as inflamações costumam ser bastante doloridas.

O problema costuma acontecer em pessoas com sobrepeso, ginastas, corredores e, até mesmo, mulheres, devido ao uso de salto muito alto. Não se sabe exatamente o que causa o problema, mas sabe-se que a inflamação ocorre pelo estiramento da fáscia.

Entre os principais tratamentos conhecidos e eficazes para o problema, vale destacar o uso de palmilhas especiais, que serão recomendadas pelo seu ortopedista. Além disso, é possível que o médico recomende o uso de analgésicos e a parada das atividades físicas por algum tempo, buscando curar essa dor no pé. Cirurgias são recomendas apenas quando os tratamentos convencionais, listados acima, não produzem os efeitos esperados.

Canelite

Outro tipo de inflamação, a exemplo da fascite plantar, a canelite atinge a tíbia ou, como é popularmente conhecida, a canela. Essa patologia é bastante comum nos atletas, principalmente naqueles que praticam os esportes sem a orientação correta.

O problema surge, na maioria dos casos, pelo excesso de exercícios físicos. Mas existem, também, causas menos recorrentes, como: inflamação nos músculos que recobrem a tíbia e ter os pés chatos, o que aumenta a pressão na tíbia, favorecendo o surgimento da doença.

É preciso consultar um médico ortopedista para ter certeza do diagnóstico e, claro, responder a todas as perguntas de maneira simples e direta. Lembrar-se de sua rotina e contar quais as dores você sente são fundamentais para que o médico possa entender o problema e passar o tratamento correto. Normalmente o médico recomenda a parada das atividades físicas, por algum tempo, e o uso de analgésicos para resolver o problema. Após alguns dias é possível voltar, aos poucos, as atividades normais. Em casos em que a dor volte, é necessário voltar ao doutor e explicar o que está acontecendo e que o tratamento inicial não fez o efeito desejado.

Entorse no tornozelo

A popular “torção” é outro problema bastante comum que atinge os praticantes de atividades físicas. Os corredores, por sua vez, representam a classe de atletas que costuma sofrer com a enfermidade.

Uma das maiores preocupações que envolvem a entorse é a questão dos traumas e, em casos mais graves, do rompimento dos ligamentos do tornozelo. Uma entorse é capaz de gerar inchaço, dor e limitação dos movimentos do paciente. Para que o tratamento seja feito de maneira correta e satisfatória, é preciso procurar um médico ortopedista.

Só ele, em posse de exames de imagem, poderá dizer qual o procedimento a se tomar. Pode ser que ele fale em fisioterapia, analgésicos, repouso e, até mesmo, em cirurgia reparatória. Acreditar que ficar em casa e esperar a dor passar é um procedimento que não deve ser tomado, afinal, pode piorar um problema que já está ali e que precisa de ajuda médica.

Lombalgia

Mais do que precisar cuidar bem dos pés, os corredores precisam se atentar à postura das costas para evitar problemas na lombar. Quando um atleta corre de maneira torta, sem a preocupação em manter a postura, a lombalgia aparece com um problema bastante incomodo.

Um atleta que pratica corrida precisa manter sua postura ereta durante a prática do exercício, o que acaba exigindo que os músculos que compõem o tronco fiquem contraídos durante a maior parte do tempo. Quando a pessoa possui vícios de corrida, principalmente o de correr torto, a lombalgia aparece.

É preciso consultar um médico ortopedista que estudará o caso e baterá o martelo sobre qual o problema existente e, no caso da lombalgia, os principais tratamentos para recuperar o atleta são: fisioterapia para correção da postura, troca de tênis/treino e exercícios segmentados para postura e repouso para a melhora da dor.

Fraturas por estresse

Essa famosa patologia é caracterizada por pequenas fissuras nos ossos, especialmente dos pés e das pernas, devido aos exercícios de alto impacto praticados pelos pacientes. Trata-se de uma das lesões na corrida mais comuns entre os atletas.

Entre as principais causas desse problema estão a fadiga e o desequilíbrio muscular, afinal, o impacto acaba indo diretamente para os ossos, gerando uma falha na absorção dessa força que aumenta o estresse nas regiões citadas. Com o tempo, o problema se desenvolve e vira um grande incômodo para os atletas, gerando muita dor no pé.

Vale dizer que qualquer osso do corpo humano está sujeito a esse tipo de problema, embora os que tenham maior incidência sejam os que suportam o peso corporal com maior frequência.

Um ortopedista analisará o caso e dirá qual o tratamento mais indicado. Ele pode recomendar atividades dentro de piscinas, fortalecimentos musculares e, em casos de fraturas por estresse bastante graves, é possível que seja necessária a imobilização do paciente e o uso de analgésicos para aliviar a dor.

Centro Médico Berrini

Rua Hilário Furlan, 107
Brooklin - São Paulo - SP
CEP: 04571-180

Clique aqui para visualizar o mapa

Horário de funcionamento

Consultas
Segunda a sexta - Das 8:00 as 20:00h

Exames
Segunda a sexta - Das 8:00 as 18:00h
Sabado - Das 8:00 as 12:00h

Novidade!

Agora temos convênio com estacionamento no nº 63 de nossa rua!!